segunda-feira, 18 de março de 2013

O Diário de Litat - Claudemir de Oliveira

Postado por Enfim Shakespeare às 1:00 AM
Quando iniciei a leitura do livro eu imaginei que Litat apenas havia observado a estória, pois o livro começa com a estória de Bnus e Qeb, uma casal que se ama com o puro amor, profundo e lindo, mas em tempo de deuses é necessário escolher alguém que faça o bem e proteja todos do mal, é nesse momento que Qeb é escolhida para amnter a paz, mas para isso ela deve desistir de seu amor por Bnus, esse por sua vez se revolta, pois não existe outra opção além de servir ao bem. Bnus desolado vaga pelos bosques sem rumo, mas logo que passa uma noite em uma casa indecente, pois estava muito doente para sair de lá, fica sabendo sobre um Deus do mal que está preste a escolher o seu herdeiro, Bnus então vai em busca desse Deus do mal que promete a imortalidade, mas Bnus não sabia que essa escolha faria com que ele se esquecesse de quem realmente é.

Enfim chega o momento da batalha entre o bem e o mal, mas uma parte de Qeb e Bnus ainda luta, pois eles se amas de verdade e esse sentimento ninguém tira, vendo a relutância de ambos o Deus supremo intercede em nome do amor e concede a ambos uma vida longa para repassar essa linda estória de amor, eles enfrentam muito desafia e fazem viagens perigosas a procura de um lugar para fundar seu lar, quando esse lugar chega há muito o que ser feito, mas esse romance faz com que nasça desse amor um filho.

Logo após a morte de Qeb e Bnus seu filho se apaixona por uma linda mulher, e é o fruto desse amor que nasce Litat, mas esse por sua vez perde os pais muito jovem e acaba saindo desse mundo no qual não existia vizinhos e ele era muito só, enfim chega o momento de ver o mundo e descobrir que por causa de seus antepassados ele possui poderes que devem ser usado para combater o mal que ainda existe na terra.

O livro é emocionante, por mais que aparenta um período muito longo a estória é limitada, porém no final existe um pouco de repetição sobre as missões e tentativas de Litat destruir o mal.
Uma estória criativa e diferente, esse é um belo conceito de inovar a literatura e falar sobre o que nunca é dito, indico o livro, pois me deu muito prazer na leitura e prendeu minha atenção em busca de um desfecho e sim as reticências imaginarias que eu criei ainda estão em minha mente, pois a estória tem que se prolongar, tem que ter uma pouco mais o fim, não foi um fim apenas o início para uma nova estória.


Frases Celebres

"Não saberia viver longe dela, não saberia viver sem ela. É como se seu corpo estivesse tão conectado ao meu que somos dependentes um do outro para viver e se um dia eu deixar de amá-la, é por que eu deixei de viver" - 266

4 comentários:

Livroterapias on 18 de março de 2013 14:30 disse...

Que quote arrasante!
Não conhecia o livro, mas fiquei com vontade de ler!
Beijinhos
Rizia - Livroterapias
http://livroterapias.blogspot.com.br

Litat Dmefinos on 18 de março de 2013 16:17 disse...

Ola... Muito obrigado pela resenha... Você conseguiu entender que O Diário de Litat é uma nova linguagem, falar do amor de uma forma não repetitiva e quando o leitor terminasse de ler, algo em seus pensamentos , em sua mente ficaria como aprendizado... Agradeço a você e a todos que possam compartilhar esse sentimento tão nobre que carregamos em nossos corações... o Sentimento do amor ao próximo...Essa é a função de Litat e em nossas vidas... nada seriamos se não amassemos nossos pais o próximo e a busca do nosso eterno amor...

Gabriela Gomes on 18 de março de 2013 18:37 disse...

Nunca li mas parece ser ótimo, adorei a resenha, ficou perfeita!
www.espacegirl.com

Denise on 19 de março de 2013 23:45 disse...

É, pela sua resenha da para perceber que o livro é diferente mesmo. Achei um pouco triste os pais da Lilat terem morrido, mas o foco deve ser nela então é justificável. Se tiver a oportunidade, lerei.

Bjs, @dnisin
http://www.seja-cult.com/

Postar um comentário

Obrigada pela visita.

Sempre retribuo os comentários *-*

 

Eu li e Comentei Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos